Pesquisar

terça-feira, 29 de outubro de 2013

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O GLOBO


Manchete: Estradas do Rio - Governo vai pôr R$ 2 bi para segurar pedágios

 

Melhorias serão feitas em rodovias privatizadas há 18 anos

 

Para fazer as obras, concessionárias de Ponte Rio-Niterói, NovaDutra e Rio-Juiz de Fora teriam que reajustar suas tarifas em mais de 50%

 

O governo federal prepara-se para assumir um gasto de R$ 2,2 bilhões em obras em estradas do Estado do Rio, que foram privatizadas há 18 anos, na primeira etapa das concessões. Os investimentos em melhorias nas rodovias Rio-Juiz de Fora, na NovaDutra e na Ponte Rio-Niterói deverão ser feitos nos próximos três anos, evitando um aumento no valor dos pedágios. Se as concessionárias assumissem as obras, a tarifa poderia subir mais de 50%. As melhorias são consideradas fundamentais para reduzir o número de acidentes nas três vias. (Págs. 1 e 17)

 

Túneis do Rio sem um monitoramento 24 horas

 

Uma visita aos túneis da cidade do Rio revela a ausência de um sistema de transmissão de imagens, durante 24 horas, integradas ao Centro de Operações da prefeitura: dos 19 túneis, apenas dois são monitorados em tempo real. Além disso, há precariedade na iluminação de suas galerias e uma abundância de infiltrações. (Págs. 1 e 6)

 

Obama: acordo sobre Síria traz lições para Irã (Págs. 1 e 23)

 

 

Jatos particulares e helicópteros elevam acidentes (Págs. 1 e 3)

 

 

Novo mercado: Nuvens brasileiras

 

Medida do governo de exigir guarda de dados em servidores instalados no Brasil pode estimular o mercado. (Págs. 1 e 19)

 

Colunistas: Ancelmo Gois

 

Petrolíferas chinesas vão participar com força do leilão do campo de Libra. (Págs. 1 e 10)

O ESTADO DE SÃO PAULO


 

 

 

Manchete: Apuração liga mulher de ministro a verba irregular

 

TCE de Santa Catarina constatou despesa ‘ilegítima’ em convênio firmado com recurso do Trabalho

 

O Tribunal de Contas de Santa Catarina pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) para investigar denúncias que ligam a mulher e o chefe de gabinete do ministro do Trabalho, Manoel Dias, a irregularidades em convênios firmados no Estado e abastecidos por dinheiro da própria pasta, informam os repórteres Fábio Fabrini e Andreza Matais. Santa Catarina é a base eleitoral de Dias. Relatórios do órgão apontam suposto dano ao erário e favorecimento de três entidades, uma delas ligada ao PDT, partido do ministro, em parcerias de R$ 2,1 milhões, firmadas nas gestões de Dalva Maria de Luca Dias, como secretária estadual de Assistência Social, e de Rodrigo Minotto, então coordenador do Sistema Nacional do Emprego (SINE) no Estado. A investigação foi solicitada no mesmo dia em que a Polícia Federal prendeu três funcionários do ministério acusados de desviar recursos. Dalva Dias nega irregularidades e diz que “não há no Brasil um gestor público que não tenha processo”. (Págs. 1 e Política A4)

 

PF detecta lobby sobre Gilberto Carvalho

 

A Operação Pronto Emprego, da PF, revela que um grupo acusado de desviar R$ 18 milhões de convênio com o Ministério do Trabalho buscou apoio do ministro Gilberto Carvalho para tentar obter novos repasses de verba. O ministro diz que recomendou a ONG a pedido de cardeais. (Págs. 1 e A5)

 

Último voto do STF pode livrar réus do mensalão

 

A retomada do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal, na quarta-feira, poderá iniciar uma nova etapa do processo que já dura 8 anos. Se o ministro Celso de Mello votar pela admissão do embargo infringente, previsto no regimento interno do tribunal, desempatando o placar de 5 a 5 da última sessão, abrirá a possibilidade da reanálise de crimes de 12 dos 25 condenados. Entre os beneficiados por um novo julgamento estão o petista José Dirceu e o empresário Marcos Valério. (Págs. 1 e A6)

 

Obama mantém ameaça de ataque ao Irã

 

O presidente Barack Obama disse ontem que o acordo sobre a Síria não afasta a possibilidade de ataque ao Irã porque a questão nuclear é “muito maior” que o problema do arsenal químico. Ele pediu confiança aos aliados da região. (Págs. 1 e Internacional A8)

 

ONU tem indícios de mais 5 ataques

 

Relatório da ONU que será divulgado hoje aponta indícios de mais 5 ataques químicos na Síria. Ontem, a aviação de guerra voltou a bombardear redutos rebeldes. (Págs. 1, A8 e A9)

 

Saúde da família tem baixa adesão (Págs. 1 e Metrópole A14)

 

 

SP construirá prisões com parceria privada (Págs. 1 e Metrópole A17)

 

 

Carlos Alberto Di Franco

 

Democracia sem censura

Não existe democracia sem pluralismo, debate livre e discussão aberta. Tirem a máscara! A defesa das ideias demanda transparência. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

 

José Roberto de Toledo

 

Pluralidade desconexa

O debate sobre Mais Médicos nas redes é monólogo coletivo. Os que conseguem furar o bloqueio são veículos da velha mídia, como jornais. (Págs. 1 e Política A6)

 

Lúcia Guimarães

 

Notícias da terrinha

Quando parti daqui, um presidente do tribunal máximo do País não sonharia em ser grosso com a presidente da República na frente do papa. (Págs. 1 e Caderno 2, C10)

 

Notas & Informações

 

Continua a lambança fiscal

A política de incentivos fracassou e as desonerações resultaram em pura perda para o Tesouro. (Págs. 1 e A3)

CORREIO BRAZILIENSE


 
Manchete: Apadrinhados ocupam vaga de concursados

 

A aprovação em concurso público não é garantia de nomeação para o cargo escolhido. Um dos casos mais escandalosos é o do Procon/DF, que nomeou 117 inscritos no último processo seletivo, mas apenas 76 foram efetivados, enquanto mantém 162 comissionados. A falta de regulamentação nacional dos certames impede que os aprovados tenham seu direito assegurado. (Págs. 1 e 7)

 

Deputado sob risco da quebra de decoro

 

Depois de o Correio/Estado de Minas revelar que Ademir Camilo (PSD-MG) está seriamente envolvido no desvio de R$ 400 milhões do Ministério do Trabalho, parlamentares de oposição vão pedir explicações à PF sobre a denúncia. (Págs. 1 e 2)

 

Desvio de toner no Senado

 

Sindicância sigilosa investiga um esquema que pode ter começado há cinco anos com a participação de servidores. Suspeita surgiu após um PM flagrar a venda de tinta de impressora da Casa numa faculdade particular. (Págs. 1 e 3)

 

Ação contra o preconceito ao militar gay (Págs. 1 e 6)

 

 

Tóquio em 2020 supera preparação da Rio 2016

 

Com parque olímpico adiantado e transporte público impecável, a infraestrutura já instalada no Japão está bem à frente dos trabalhos no Brasil. Slogan oriental é: “Certeza em tempos incertos.” (Págs. 1 e 6)

VALOR ECONÔMICO

Manchete: Governadores impedem o fim da 'guerra fiscal'

 

Governadores das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste articulam nova ofensiva contra o fim da chamada "guerra fiscal", aproveitando o ambiente político gerado pelas manifestações de rua e o período pré-eleitoral. "Nós não podemos apoiar uma política que significa suicídio das nossas economias", disse ao Valor o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), referindo-se à proposta de reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em tramitação no Senado.

Os governadores querem mobilizar suas bancadas para rejeitar, no plenário do Senado, o projeto de resolução que muda as alíquotas interestaduais do ICMS, convalidar os incentivos fiscais já concedidos, acabar com a unanimidade exigida para as decisões do Confaz e editar a edição de súmula vinculante pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que derruba todos os atuais benefícios. (Págs. 1 e A8)

 

Demora em licenciamento cria demanda

 

O Consórcio Interligação Elétrica do Madeira (IE Madeira), responsável pela construção de uma das linhas de transmissão que vão escoar a energia das usinas do rio Madeira, prepara pleito milionário para entregar à diretoria da Aneel. O consórcio, formado por Cteep, Furnas e Chesp, pretende cobrar pagamento extra de aproximadamente R$ 275 milhões com o objetivo de reaver o equilíbrio financeiro do contrato. O pedido está em elaboração e deve ser encaminhado em breve à agência. A causa do prejuízo, segundo o IE Madeira, seria o atraso na liberação da licenciamento ambiental. (Págs. 1 e B13)

 

O português mais rico põe fichas no Brasil

 

Homem mais rico de Portugal, Américo Amorim planeja investir US$ 3,5 bilhões nos próximos quatro anos no Brasil, com ênfase na área de petróleo, seguido de negócios imobiliários ligados ao turismo e do setor financeiro.

Em entrevista ao Valor, o empresário disse que destinará 65% do pacote de investimentos de US$ 5 bilhões para o Brasil entre 2013 e 2016. O restante irá para Angola e Moçambique. Ele não ostenta - não tem jatinho e só aluga um quando é necessário. Ocupa uma sala de trabalho ampla, mas comum, na sede da holding em Mozelos, cidade perto do Porto. (Págs. 1 e B8)

 

Caem fretes marítimos da China a Santos

 

A queda no ritmo das importações da Ásia, que tem sido o motor do crescimento do transporte de contêineres brasileiro, derrubou os valores dos fretes na navegação. Armadores apostam nas festas de fim de ano para recuperar os volumes e a rentabilidade perdida, iniciando uma rodada de aumento nos preços.

Entre o fim de 2011 e agosto, o frete de um contêiner de 40 pés da China para Santos oscilou de US$ 4.500 (o valor mais alto, em novembro de 2012) para US$ 2.300 (ponto mais baixo, em agosto), segundo a consultoria inglesa Drewry. Na mão inversa, na exportação de Santos para a China, também houve queda, de US$ 1.600, em fevereiro de 2012, para US$ 1.250, em agosto. (Págs. 1 e B1)

 

Brasileiras ainda estão longe do topo

 

Embora executivas como Graça Foster, Luiza Helena Trajano e Chieko Aoki se destaquem no comando de grandes empresas, elas são exceções no país. Estudo inédito realizado pela Escola de Direito da FGV, em parceria com a FEA-USP, revelou que nos últimos 15 anos a presença feminina nos altos cargos em companhias de capital aberto no Brasil se manteve estagnada, com média de 8%.

O professor Alexandre Di Miceli, da FEA-USP, afirma que as mulheres fizeram avanços significativos no ingresso nas universidades e no mercado de trabalho, mas isso não se reflete no topo da hierarquia. Durante o período analisado, praticamente metade das companhias não teve sequer uma mulher em seus conselhos de administração. Em 66% delas, nenhuma profissional fez parte da diretoria executiva. "Essa sub-representação pode ser um problema tanto em termos de qualidade na tomada de decisão quanto do aproveitamento eficiente de talentos", diz. (Págs. 1 e D3)

 

Eike culpa executivos e investidores

 

O empresário Eike Batista, protagonista de um dos maiores colapsos financeiros da história, está acusando pessoas que considera culpadas por sua queda. Em entrevista ao "The Wall Street Journal" - a primeira desde que seu império desabou -, disse que executivos do setor de petróleo que ele costumava chamar de "dream team" (o time dos sonhos) o enganaram. E afirmou ainda que seus investidores saíram do negócio muito rapidamente. Culpa também o azar.

"Eu sou o maior perdedor nisso tudo", disse na sexta-feira em seu escritório no Rio. "Eu acreditei nisso. Vivendo em um país que tem essas descobertas de petróleo gigantescas, por que eu não poderia ter sido abençoado com uma delas?" (Págs. 1 e B16)

 

Pronatec chega aos dois anos com 4,2 milhões de matrículas, mas evasão é alta (Págs. 1 e A4)

 

“Risco Dnit” foi decisivo no fracasso do leilão da rodovia BR-262 (Págs. 1 e B12)

 

 

Crítica ao modelo de concessões

 

Modelos de concessões e parcerias público-privadas do governo federal na área de infraestrutura são “inadequados” e inibem a competitividade, diz o economista Edmar Bacha. (Págs. 1 e A5)

 

Reforma ministerial

 

O fim do prazo de filiação partidária dos candidatos às eleições de 2014 deve desencadear processo de reforma ministerial. Dilma espera a definição do quadro da sucessão para decidir quem fica. (Págs. 1 e A6)

 

Projeto muda licitações

 

Projeto de lei do líder do PT na Câmara pretende reformar a Lei 8.666 e estender o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) — criado originalmente para as obras da Copa — a todas licitações. (Págs. 1 e A8)

 

Inovação & Parcerias

 

Empresas, entidades e órgãos oficiais ligados à inovação apostam no Laboratório Binacional Brasil-EUA para ampliar o acesso de pesquisadores aos centros de P&D dos dois países, além da criação de joint ventures, diz Debora Wince-Smith, presidente do Conselho de Competitividade (Council). (Págs. 1 e Especial)

 

MSD reorganiza operação no país

 

Com um novo presidente no Brasil desde o início do ano, a MSD Saúde Animal — braço veterinário da farmacêutica americana Merck — colocou à venda as áreas onde ficavam duas de suas três fábricas no país, em Cotia (SP) e Fortaleza. (Págs. 1 e B15)

 

Geadas afetam usinas de cana

 

As geadas de julho e agosto farão os Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná perderem 2,2% da moagem de cana esperada para todo o Centro-Sul. No entanto, em algumas usinas a produção de açúcar e etanol pode cair até 15%. (Págs. 1 e B18)

 

Arbitragem fora da área trabalhista

 

Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais confirma decisão de 1ª instância e rejeita arbitragem na solução de litígio trabalhista, sob alegação de que a Lei de Arbitragem só pode ser aplicada em contencioso relativo a direito patrimonial disponível. (Págs. 1 e E1)

 

Ideias

 

Saulo Krichanã

 

Para quê arriscar aplicar no longo prazo se o desarranjo fiscal ajuda a calibrar a taxa real de juros de novo para cima? (Págs. 1 e A12)

 

Luiz Carlos Mendonça de Barros

 

Reunião do Fed na quarta-feira marcará o começo do fim da grande crise econômica e financeira iniciada em fins de 2007. (Págs. 1 e A13)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTADO DE MINAS


Manchete: Seca mata rios

 

Reportagem Especial - Cursos d’água são extintos pela desertificação que muda a paisagem no noroeste de Minas

 

Ribeirões que eram perenes agora correm como filetes apenas no período chuvoso. Outros simplesmente desapareceram, como o Campo Grande, morto desde 2007. Esse é um dos trágicos efeitos do processo de desertificação na Região Noroeste, como mostra a segunda parte da série de reportagens do Estado de Minas. A paisagem verde com rios cheios de peixes, descrita por Guimarães Rosa em Grande sertão: veredas, vai dando lugar à aridez, devido à exploração desordenada. O problema extrapola o Noroeste. O Ribeirão Campo Grande, em cujo leito hoje passam carros e ônibus, era afluente de primeira grandeza do Rio Urucuia, por sua vez um dos três maiores tributários do São Francisco. E o Velho Chico perdeu 35% de sua vazão entre 1948 e 2004, segundo estudo internacional com os 925 maiores rios do planeta. (Págs. 1 e 17 a 19)

 

Computadores: Pane tira do ar sistema do governo

 

Todos os portais, sites e correios eletrônicos do governo estadual foram bloqueados ontem entre as 15h e as 19h30, aproximadamente, atingindo bombeiros e polícias Militar e Civil. Houve transtorno no HPS com todas as fichas de exames e prescrições de medicamentos tendo de ser feitas à mão. Responsável pelo sistema, a Prodemge descartou a ação de hackers e atribuiu o problema a uma pane elétrica. (Págs. 1 e 20)

 

No Rio, hackers divulgamos endereços de 50 mil PMS (Págs. 1 e 7)

 

 

Corrupção: Situação de deputado se complica na Câmara

 

Suspeito de ser dono de ONG pivô do desvio de R$ 400 milhões em convênios do Ministério do Trabalho, Ademir Camilo (PSD-MG) pode ser chamado a se explicar e processado por quebra de decoro. (Págs. 1 e 3)

 

Chegam os cubanos

 

Vinte e quatro médicos de Cuba desembarcaram ontem no aeroporto da Pampulha distribuindo sorrisos e apertos de mão a cerca de 100 militantes apoiadores de sua vinda. Outros dois deles haviam chegado na madrugada da véspera. Eles vão trabalhar em 21 municípios mineiros no programa Mais Médicos, do governo federal. (Págs. 1 e 20)

 

 

JORNAL DO COMMERCIO


Manchete: Pirâmide forte no Recife

 

Pesquisa do Instituto Maurício de Nassau mostra o poder de sedução das propostas de lucro rápido e revela que 18% dos recifenses já participaram deste tipo de negócio. 63,7% têm consciência de que o investimento não é seguro. (Págs. 1 e 9)

 

Estrangeiros do Mais Médicos estão chegando

 

Profissionais começaram a desembarcar nas capitais e dão início aos trabalhos na próxima segunda-feira. (Págs. 1 e 4)

 

Gasolina deve subir em outubro (Págs. 1 e 7)

ZERO HORA


Manchete: Novas plataformas abrem 3 mil vagas no polo naval

 

Dilma Rousseff assina hoje, em Rio Grande, contratos para a construção de mais duas estruturas para exploração de petróleo, ao custo de US$ 800 mi cada. (Págs. 1 e 10)

 

Em três anos: Câmara gastou R$ 58 milhões com aluguel de carros

Cada um dos 513 deputados consumiu, desde 2011, o equivalente a dois automóveis em locações. (Págs. 1 e 6)

 

Mais Médicos: Reforço de Cuba começa a chegar ao RS

Profissionais devem se reunir a outros estrangeiros hoje para atuar em seis cidades do Estado. (Págs. 1 e 27)

 

Mensalão: Ministro diz não se sentir pressionado para dar voto

Celso de Mello vai encerrar polêmica de recursos do julgamento no Supremo. (Págs. 1, 4, 5, 8 - Rosane de Oliveira e 43 - Paulo Sant'Ana)

 

Reações opostas: Acordo de EUA e Rússia divide opiniões na Síria

Rebeldes rejeitam solução diplomática comemorada pelo governo. (Págs. 1 e 24)

 

 

 

 

 

 

BRASIL ECONÔMICO


Manchete: Ações contra a crise foram cosméticas

O embaixador Rubens Ricupero participou do grupo formado pela ONU para estudar medidas que evitassem uma nova crise como a ocorrida em 2007/2008. Ele engrossa o coro dos que dizem que pouco mudou. “A prova de que não foi resolvido é que hoje o grau de concentração dos bancos é significativamente maior do que era antes da crise.” Em entrevista ao Brasil Econômico, Ricupero alerta que a inflação no Brasil está reprimida artificialmente, com a contenção dos preços administrados, que precisam ser ajustados. “E se adiar muito, vem como uma crise”. (Págs. 1, 6 e 7)

 

Concessões: Analistas temem ausência de estrangeiros

A falta de interessados externos para o primeiro leilão de rodovias, cujo resultado será divulgado na quarta-feira, acendeu o alerta sobre os riscos que afastam investidores. (Págs. 1 e 20)

 

domingo, 15 de setembro de 2013

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Blog GC-NOTÍCIAS-GC vem a público esclarecer que esta retornando as publicações de Clipping de notícias veiculadas nos grandes jornais do Brasil e do mundo.

Entretanto, vale ressaltar que o blog não tem nenhuma ajuda financeira para da mais comodidade aos leitores de todo o mundo que frequenta o blog! Gostaria de pedir aos leitores que queiram ajudar com qualquer contribuição para da mais conforto a todos.

Contato:

Sjjorgesilva570@gmail.com

“Sempre primando pela busca da qualidade em notícias veiculada no Brasil e no mundo”

quarta-feira, 7 de março de 2012

07 de março de 2012 - JORNAL DO COMMERCIO



PRIMEIRA PÁGINA

Brasil cresceu somente 2,7% em 2011
Crise internacional deixou resultado do PIB do ano passado abaixo do de 2010, quando chegou a 7,5%.

COLUNAS
Cláudio Humberto

SP: PT avalia afastar Haddad

Citando pesquisas mostrando que a senadora Marta Suplicy (SP) tem condições objetivas de superar o tucano José Serra, na disputa pela prefeitura paulistana, dirigentes petistas voltam a cogitar a substituição do pré-candidato Fernando Haddad. Na primeira quinzena de janeiro, o PT discutia essa hipótese, mas Lula sufocou o movimento pedindo a Dilma para antecipar a demissão do então ministro da Educação. Dirigentes do PT aguardam, agora, que Lula melhore de saúde para ponderar sobre o fiasco de Haddad e o risco de derrota anunciada para Serra. Quando tentaram a substituição antes, petistas ligados a Marta Suplicy foram rechaçados por Lula, que prometeu apoiar Haddad “até o fim”. Mas o fraco desempenho de Haddad nas pesquisas não estimula a militância a pedir votos para um candidato em quem não acredita. Amostragens encomendadas pelo PT confirmam que o amplo favoritismo de Serra desaparece quando Marta entra na disputa.

Visita a Chernobyl
Contrários à construção da usina nuclear Angra 3 no Brasil, deputados da bancada verde tentam autorização da Câmara para visitar Chernobyl, cidade-fantasma da Ucrânia devastada após acidente nuclear (na foto, a usina de Chernobyl). Os parlamentares foram convidados pela ONG Cruz Verde Internacional a se juntar a delegações da Alemanha e França entre 23 e 27 de abril. A viagem, a partir da Suíça, seria custeada pela entidade.

Roda e avisa
Tem cheiro de gasolina aditivada pró-Haddad a greve dos caminhoneiros que inferniza São Paulo, com o Rodoanel à disposição deles.

Escola do crime
Os assassinatos cometidos por menores aumentaram 62% no DF, entre 2010 e 2011, diz a Promotoria de Justiça da Infância e Juventude.

Água de beber
O Senado contratou por R$ 25 milhões, sem licitação, uma clínica de doenças renais de Brasília: R$ 5 milhões mensais saindo “na urina”.

Agenda verde
O Greenpeace e a ONG Urgewald aproveitaram a visita de Dilma, para denunciar que o laudo de segurança de Angra 3, no Rio, se baseou em usina idêntica, não nuclear. E que além de “obsoleto”, o reator está em região de deslizamentos. Querem impedir o empréstimo ao Brasil.

Segura, promotor
O Ministério Público Federal rejeitou punição da corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público contra o promotor Fernando Góes, que foi a uma festa do peão no interior vestido de... peão.

Desgarrado
O deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) acha que a nomeação de Marcelo Crivella na Pesca será “um tiro no pé” na eleição de Fernando Haddad à prefeitura paulistana: “teremos menos 1 voto no Congresso.”

Casório adiado
Amigo pessoal da primeira-dama do Rio, Adriana Ancelmo, o estilista Carlos Tufvesson desistiu do recurso para casar com o companheiro André Piva. Três desembargadores da 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio se declararam suspeitos por discordar do Supremo.

Pensando bem...
...nem tudo está perdido: a intenção de voto em Haddad é maior que o PIB do Brasil.

Frase
"Minha vida sempre foi um livro aberto e continuará sendo” – Senador Demóstenes Torres (DEM-GO) pedindo para ser investigado pelo STF

O fantasma
O presidente do PT, Rui Falcão, e a prefeita Luizianne Lins suam a camisa para afastar o fantasma das prévias para escolha do candidato à Prefeitura de Fortaleza. Cinco petistas querem disputar a sucessão.

Deixa pra lá
Com os comandantes em banho-maria, começou o racha entre os militares da reserva que assinaram o manifesto provocando Dilma. Alguns preferem lutar por reajustes e reaparelhamento das Forças.

EDITORIAL
O fim de um reinado

A saída de Ricardo Teixeira do comando do futebol brasileiro é esperada por muitos há muito tempo. Investigado pelo Congresso em Comissão Parlamentar de Inquérito, alvo de denúncias de emissoras de televisão, jornais e revistas, desacreditado como líder do esporte que é paixão nacional, Teixeira se mantém no cargo desde 1989. Sua controversa soberania, mesmo após a conquista de duas Copas do Mundo, em 1994 e 2002, não parece resistir muito tempo a suspeitas crescentes de corrupção que mancham não apenas o seu nome e a credibilidade da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A persistência de Ricardo Teixeira, tanto na CBF quando no Comitê Organizador Local da Copa de 2014, é a cada dia mais arriscado para a realização da Copa no Brasil e para a imagem do nosso futebol – que ele desgastou mais do que qualquer um.
Se “devemos muito” a Teixeira, como afirmou em sua defesa o ex-jogador Ronaldo Fenômeno, o presidente da entidade máxima do futebol nacional deve, no mínimo, uma lista extensa de explicações ao País. A começar pela falta de transparência financeira que mistura as contas da CBF às suas contas pessoais, com indícios de desvio de rios de dinheiro. A mais recente e estranha movimentação foi o depósito de R$ 3,8 milhões na conta da filha de Ricardo Teixeira, feito pelo atual presidente do Barcelona e ex-executivo da Nike, Sandro Rosell. A Nike é fornecedora de artigos esportivos da CBF. A revelação foi feita pelo jornalista Juca Kfouri. A CBF não negou o depósito, mas prometeu acionar o jornalista na Justiça por exposição de menor, nos termos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Outra investigação em curso é referente a uma partida amistosa entre a seleção brasileira e a seleção de Portugal, em Brasília, em 2010. O Governo do Distrito Federal pagou R$ 9 milhões a uma empresa que mantém relação de negócios com Ricardo Teixeira. Há fios soltos por toda parte nos laços de Ricardo Teixeira. Há poucas semanas, o presidente da CBF levou para Miami, em seu jato particular, o amigo Wagner Abraão, dono de agência de turismo que presta serviços à CBF e executivo de um grupo que foi, por coincidência, escolhido pela Fifa para vender pacotes de viagem e ingressos em espaços vip para a Copa de 2014.
A natureza da organização do futebol no Brasil é dúbia: tem status de organização privada, mas é administrada e vendida como se pertencesse ao patrimônio público. Teixeira aproveitou como ninguém essa característica para estabelecer o controle político da entidade através de federações estaduais submissas, dependentes dos recursos da Confederação e, em sua maioria, incapazes de levantar a voz contra os desmandos e abusos de autoridade do rei Ricardo. Um dos poucos que tiveram a coragem de enfrentá-lo foi o falecido presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Carlos Alberto Oliveira. Para o bem do futebol brasileiro e, por tabela, da própria Fifa, o fim do reinado de Ricardo Teixeira na CBF é necessário, e iria conferir novos ares à entidade a pouco mais de dois anos da Copa do Mundo.

OPINIÃO
Palmada

Arthur Carvalho

Essa lei contra a palmada não passa de frescura. É equivalente a comparar bitoca com estupro. Uma forma de neofascismo puritano. Muita gente levou pisa de rinchar, quando pequeno, e nem por isso desmunhecou nem meteu-se em falcatruas e homicídios, não guardou mágoas, complexos e recalques. Pelo contrário. Tenho seis filhos, nunca precisei bater em nenhum. Eu disse "precisei", pois é importante a criança saber que existe um corretivo que lhe poderá ser aplicado em momento justo e oportuno. Que o direito de terceiros está acima de seus caprichos, manhas e cavilações. Menino é feito jogador de futebol: testa a autoridade dos pais como o jogador testa a autoridade do árbitro. Quem vacilar, dança.
Minha mãe dizia que batia nos filhos para os outros não terem vontade de bater. Os casos de bullying são muito antigos nos colégios e continuam a existir no mundo inteiro. Em recente entrevista à Veja, Rosalind Wisman, escritora americana especializada em bullying, ensina que crianças e adolescentes que agridem e humilham colegas são acobertados em casa – e que as escolas em geral se omitem. Tem razão. Acho que a chave do enigma está aí, na falta de educação doméstica. E faz observações pertinentes (gostou dos "pertinentes", Jommard?). Ela começa dizendo, o que é verdade, que conflitos nos quais ocorrem abuso de poder e força para demarcar território são tão velhos quanto a própria espécie humana. O sabiá-gongá e o sanhaçu que cantam ao amanhecer nas árvores defronte do nosso apartamento, na Beira-Rio, também delimitam seus territórios, ao cantar, avisando aos outros pássaros que aquele espaço tem dono – é deles.
Na entrevista, Rosalind diz que o bullying passa a ganhar uma escala que nunca teve antes, enchendo a vítima de vergonha, solidão e medo. E isso é grave e triste, porque demonstra a decadência da sociedade. De seus valores básicos. Ela condena os professores por continuarem "alheios a isso." E fulmina: "O problema, evidentemente, não se restringe ao ambiente escolar. Ele começa no lar. Só que muitos pais preferem manter-se cegos. Agem como não deveriam."
Sua maior preocupação é que esse tipo de manifestação preconceituosa aparece até mesmo nas famílias de gente lúcida, de forma quase invisível. "O bullying nada mais é que uma demonstração exacerbada de aversão às diferenças". E acrescenta: "As meninas podem ser mais cruéis entre si do que os garotos. Elas têm uma compreensão muito clara sobre como a outra se sente e, com isso, conseguem feri-la com requintes de maldade". (Noel Rosa: "Pra que mentir, se tu ainda não tens a malícia de toda mulher?"). E termina lamentando que o adolescente recebe hoje o maior privilégio da vida adulta – a liberdade – mas nenhuma das obrigações da idade madura. É preciso dosar o limite entre palmadinha e espancamento. Violência e superproteção. Afeto e castração da personalidade infantil. Carinho e dengo. O respeito ao próximo.
 Arthur Carvalho, advogado e jornalista, é da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas

POLITICA
Relator rejeita contas da PCR, que contesta
 Em votação suspensa após pedidos de vista, o conselheiro do TCE Carlos Porto recomendou a rejeição das contas de 2009 da PCR. Prefeito questiona interpretação dada
Bruna Serra

Dois pedidos de vista adiaram, ontem, o parecer final sobre a prestação de contas do exercício de 2009 da Prefeitura do Recife, a primeira da gestão do prefeito João da Costa (PT). A segunda câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE), formada pelos conselheiros Romário Dias, João Campos e Carlos Porto, relator da matéria, só deve voltar a julgar a matéria no próximo dia 15, uma vez que o período de vista regimentalmente é de três sessões. O prefeito questiona a interpretação dada pelo relator (ver matéria abaixo).
Foram os pedidos de vista dos conselheiros Romário Dias e João Campos que evitaram a rejeição das contas do prefeito, já que o conselheiro Carlos Porto proferiu seu parecer recomendando à Câmara Municipal do Recife a rejeição das contas de 2009 do gestor. O entrave, segundo aponta o conselheiro relator, está nos investimentos na educação.
Embasado por relatórios de prestação de contas anteriores, Carlos Porto questionou o investimento de apenas 20,33% do orçamento na área, quando a Constituição Federal determina que seja aplicado o percentual de 25% da arrecadação municipal em educação. “A última vez que o município investiu os 25% determinados em lei foi no ano de 2004. De lá para cá a meta nunca é atingida. Trata-se de uma falha gravíssima, que está prevista na Constituição, sendo passível de uma pena que pode resultar em intervenção no município”, afirmou o conselheiro relator.
Na prestação de contas enviada pela Prefeitura, são considerados como investimentos no setor despesas com fardamento, pagamento de estagiários que atuam como monitores nas salas de aula e restos a pagar da gestão anterior. Carlos Porto, entretanto, ressalva que a lei federal que trata da questão não computa esses investimentos como “na educação” e sim “para educação”, ou seja, gastos em outros setores que refletem na educação.
Procurador-geral do município e secretário de Assuntos Jurídicos, Cláudio Ferreira fez a defesa da administração afirmando que o percentual de 25% não foi atingido porque o conselheiro não considerou esses investimentos relatados pela prefeitura. “Isso porque, considerando esses pontos – de fardamento, estagiário e despesas anteriores – nós investimos até mais do que a lei determina, 26%. Se eu incluísse aí os gastos com merenda escolar, o percentual chegaria aos 28% do orçamento do município. É uma questão de bom senso”, reclamou.
O relatório final do conselheiro Carlos Porto também questionava o investimento em saúde, que foi de 14% em 2009 quando deveria ter sido de 15%, conforme determina a emenda 29 aprovada em votação no Congresso Nacional. Entraves relativos à gestão orçamentária, ligados ao fundo previdenciário, também foram questionados. A rejeição das contas, entretanto, não foi aprovada pelo pleno em virtude dos pedidos de vista. Apenas após o voto dos conselheiros Romário Dias e João Campos é que a rejeição recomendada pelo conselheiro será ou não referendada.

Prefeitura reage ao relator
Débora Duque

Em nota, enviada à noite, a Prefeitura rebateu o parecer do conselheiro do TCE Carlos Porto, garantindo que os investimentos do município na área de educação alcançaram a marca de 26% em 2009. No texto, também foi enfatizado que o relatório não representa a decisão final da Corte de Contas, mas a “opinião” do conselheiro. “Trata-se de divergência de avaliação”, resumiu a nota.
Para atingir o índice de 26% – que supera em um ponto percentual o piso mínimo de investimento fixado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) – a PCR contabilizou gastos com fardamentos escolares, remunerações de estagiários e o pagamento de despesas relativas a exercícios anteriores. “Todas essas despesas são típicas da Educação, apesar da avaliação contrária do relator”, pontua a nota.
Há, no entanto, controvérsias a respeito dos elementos que devem ser classificados como tal. Uma súmula anterior do TCE, elaborada pelo conselheiro Valdecir Pascoal, não inclui, por exemplo, as despesas com fardamento no rol da educação, por considerá-las de caráter “assistencial”. Pela LDB, os custos enquadrados nesta última categoria devem ser contabilizados à parte. Embora sejam admitidas despesas com profissionais docentes para o cálculo do percentual destinado à educação, a legislação não define expressamente se o custeio de estagiários deve ser incluído nessa conta, como alegou a PCR. Também não são mencionadas pela LDB as despesas herdadas de anos anteriores. Por outro lado, essas despesas estão previstas na cartilha que define a aplicação de recursos provenientes do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), o que pode servir de sustentação para o argumento da gestão.
Na nota, a PCR também fez questão de reforçar algumas ações da área de educação. Entre elas, a política de “valorização” do professor e o terceiro lugar ocupado pelo Recife no ranking do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), entre as nove capitais do Nordeste.

Governistas avaliam que articulação será esvaziada

Gilvan Oliveira

Em público, o governador Eduardo Campos (PSB) não vem comentando o assunto sucessão do Recife e ontem, após a cerimônia de entrega de medalha a personalidades do Estado, em comemoração à Data Magna de Pernambuco, ele reforçou essa posição. Mas governistas muito próximos ao líder socialista avaliaram que a articulação comandada pelo senador Armando Monteiro Neto (PTB) deve se esvaziar por si própria, sem necessidade de uma intervenção externa, por “inanição política”.
“Na hora de (o bloco alternativo) decidir ‘vamos ou não vamos lançar candidato’, todos vão sair. E duvido que alguém (no caso, o PTB) vá à disputa sozinho”, avaliou um aliado, em reserva. “Se a coisa fosse para valer, esse nome (do prefeiturável) já teria surgido nessa reunião”, advertiu outro, referindo-se ao encontro entre líderes do PDT, PSC, PRB e PP com Armando Monteiro, anteontem.
Sem querer entrar no tema, pelo menos em público, Eduardo disse que não tem agendado encontros com aliados para tratar de sucessão e refutou que haja um prazo até o fim de março para definições. “Não podemos trabalhar com prazos em política, só com os prazos que a lei (eleitoral) impõe”, despistou.
Se as relações entre Armando e Eduardo não estão na mesma sintonia de antes, deputados estaduais petebistas estiveram ontem no Palácio para a cerimônia de entrega da Medalha Guararapes. Secretário-geral do PTB, o deputado José Humberto Cavalcanti negou que Armando tenha pretensões eleitorais no Recife e que ele estivesse no evento para acalmar as relações do seu partido com o PSB. “Estou aqui como parlamentar convidado”, afirmou.
A Medalha do Mérito Guararapes, maior comenda do Estado, foi entregue a 14 personalidades e entidades, por seus relevantes serviços prestados ao Estado, entre elas o vereador do Recife Liberato Costa Júnior (PMDB), o radialista Geraldo Freire, o médico Nélson Caldas, a economista Tânia Bacelar, o Instituto Homem da Meia Noite, o Clube de Máscara Galo da Madrugada e o Movimento Estadual de Catadores de Material Reciclável. A ex-deputada Terezinha Nunes (PSDB) também seria agraciada, mas, alegando problemas de saúde, não esteve presente.

Rápidas - Demóstenes fala sobre “amizade” com Cachoeira

Flagrado em interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça nas quais aparece em conversas frequentes com o empresário do jogo Carlinhos Cachoeira, preso na Operação Monte Carlo, o líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO), subiu ontem à tribuna para dizer que não é investigado pela Polícia Federal e que é amigo do contraventor, embora, segundo declarou, não soubesse de atividades ilegais dele. As declarações foram elogiadas por todos os senadores, do PT ao PMDB, passando pelo PSDB e pelo próprio DEM. A Operação Monte Carlo prendeu 35 pessoas envolvidas com jogo do bicho e máquinas caça-níqueis em Goiás. Demóstenes, um dos opositores mais duros ao governo, ganhou de presente de casamento do contraventor um fogão e uma geladeira no ano passado. Ele confirmou os regalos e disse que, por questão de educação, não pergunta o preço do presente e nem o devolve. De acordo com Demóstenes, a amizade com Carlinhos Cachoeira vem de longe, quando este atuava legalmente na exploração de jogos. “Como empresário, ele frequentava as altas rodas da sociedade de Goiás”, disse, negando que tenha mantido negócios com o contraventor.

IMPOSTO DE RENDA
Sai calendário de restituição
De acordo com a Receita Federal, o primeiro lote será liberado no dia 15 de junho e o último em 17 de dezembro

BRASÍLIA e RIO – A Receita Federal divulgou ontem o calendário de pagamento das restituições do Imposto de Renda (IR) 2012. De acordo com a instrução normativa 1.254, publicada no Diário Oficial da União, o imposto pago a maior pelas pessoas físicas no ano passado será devolvido em sete lotes mensais. O primeiro deles será liberado no dia 15 de junho e o último em 17 de dezembro.
No primeiro lote, serão incluídos os contribuintes com mais de 60 anos, que têm prioridade na restituição pelas regras do Estatuto do Idoso. Segundo o supervisor nacional do IR, Joaquim Adir, são baixíssimas as chances de um contribuinte com menos de 60 anos ser incluído no primeiro lote, ainda que já tenha enviado a declaração.
Além disso, a Receita faz a devolução do Imposto de acordo com a forma de entrega das declarações do IR e também com a ordem de recebimento desses documentos. Quem opta pela internet (pela página www.receita.fazenda.gov.br) e envia a declaração no início do prazo recebe nos primeiros lotes.
Já as pessoas físicas que fazem a entrega por meio de disquetes (apresentados nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal) e aquelas que deixam para fazer o acerto de contas com o Leão no fim do prazo acabam recebendo a restituição nos últimos lotes.
A Receita lembra, no entanto, que só receberão restituições aqueles contribuintes que não tiverem qualquer pendência na declaração. Caso sejam detectados problemas, como a omissão de rendimentos ou informações incorretas, a pessoa física ficará retida na malha fina e terá que regularizar sua situação antes de obter a devolução do imposto.
O prazo para a entrega da declaração do IR 2012 começou no dia 1º de março e termina em 30 de abril. Segundo o Fisco, já foram enviados 887 mil documentos de um total de 25 milhões esperados para esse ano – foram 24,37 milhões em 2011. Precisa apresentar o documento a pessoa física que teve rendimentos tributáveis acima de R$ 23.499,15 no ano passado. Quem perder o prazo de entrega terá que pagar multa que varia de R$ 165,74 a 20% do IR devido.
A consulta aos lotes de restituição pela internet normalmente é liberada entre sete e dez dias antes de o dinheiro chegar ao banco.

INTERCÂMBIO
China vai importar 300 mil jegues do Nordeste

Um acordo entre os dois países liberou o comércio dos animais, que são largamente utilizados pelos chineses nas indústrias de alimentos e de cosméticos
BRASÍLIA – Em meio a tantos produtos brasileiros exportados para a China, surgiu, recentemente, um novo objeto do desejo que não faz parte das nossas riquezas naturais, nem da cultura agrícola. Trata-se do popular jegue nordestino. Há cerca de um mês, um acordo entre os dois países liberou o intercâmbio de asnos – animais também conhecidos como burros e jumentos, que são largamente utilizados na indústria de alimentos e na de cosméticos daquele país.
Os chineses pretendem importar 300 mil jumentos por ano do Nordeste, onde o animal é encontrado em abundância. Além de movimentar a economia local, a iniciativa ainda vai resolver o problema de excesso de oferta de jegues na região. Com as facilidades de financiamento, houve um crescimento muito grande do uso de motos para o transporte local e os jegues estão perdendo espaço para a concorrência.
Em junho de 2011, um grupo de empresários chineses percorreu o Nordeste, desde a Bahia até o Rio Grande do Norte, conversando com fazendeiros e políticos. Aos políticos locais, o grupo propôs um programa de garantia de compra dos burros a preços de mercado, envolvendo até linhas de crédito, por meio de um sistema batizado de Projegue. Mas o projeto ainda não deslanchou.
A China abate 1,5 milhão de burros ao ano, produzidos no país, na Índia e na Zâmbia. O processo envolve tecnologia de ponta, com melhoria genética, cuidados na produção de alimentos específicos e assistência técnica.
Segundo o secretário-adjunto de Agricultura do Rio Grande do Norte, José Simplício Holanda, a exportação dos jumentos resolveria um problema local, principalmente na região do Alto Oeste, onde a expansão econômica recente fez os moradores trocarem o uso histórico do jegue como meio de transporte para adotar as motocicletas.
“Naquela região os prefeitos lotam caminhões para levar os jumentos da sua cidade para os vizinhos. Já teve jumento que fez o mesmo percurso três vezes. O asno hoje só serve para causar acidentes na estrada”, diz Holanda.

Iphan libera 3 áreas da Fiat para obras

O superintendente em Pernambuco do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Frederico Almeida, informou ontem já ter liberado as licenças de três das quatro etapas da terraplenagem para a futura fábrica da Fiat, em Goiana. Na última segunda-feira, foi iniciada a etapa de número dois de nivelamento do terreno.
A terraplenagem da chamada área prioritária, os 160 hectares onde ficará o prédio principal da Fiat e onde serão montados os futuros veículos, foi concluída na última quinta-feira.
Mas até o início da segunda fase do serviço, em uma área de 97 hectares, houve parada de parte dos 530 trabalhadores e das 406 máquinas da Construcap.
Frederico diz que, para agilizar as licenças, o governo optou por liberar a documentação por etapas. Segundo ele, na segunda-feira a documentação foi aprovada para as etapas dois e três da terraplenagem.
No total, o terreno destinado à Fiat mede 440 hectares e o nivelamento do terreno começou em 7 de janeiro passado, com prazo de conclusão de 180 dias. O contrato com a Construcap é de R$ 81,9 milhões.
O cronograma prevê a entrega da área prioritária e da segunda etapa, para a movimentação de terra, até abril. A produção da Fiat, entre 200 mil e 250 mil veículos por ano, começará em março de 2014.


REFLEXO
Dilma culpa país rico pela crise

Freio no crescimento de algumas economias é visto como resultado das ações usadas para salvar as economias desenvolvidas
HANNOVER – A crise na Europa e nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, os remédios usados até aqui para enfrentá-la, são as razões pelas quais os países emergentes, como o Brasil, estão enfrentando reduções no ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). As análises foram feitas pela presidente Dilma Rousseff ontem, em Hannover, na Alemanha, ao término de um novo encontro com a chanceler Angela Merkel. Para a chefe de Estado brasileira, a turbulência econômica desaquece os países emergentes, que ainda enfrentam o ‘tsunami monetário’, causador de valorização artificial do câmbio e perdas na balança comercial.
As declarações foram feitas em rápida entrevista coletiva ao final de uma visita à feira de tecnologia de Hannover.
Descrevendo o teor das reuniões bilaterais realizadas com Merkel, Dilma reiterou as críticas ao excesso de liquidez promovido pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Federal Reserve (Fed) desde o início da crise, em 2008. Só a autoridade monetária europeia despejou no sistema financeiro um total de 1 trilhão em dois megaempréstimos subsidiados aos bancos entre dezembro e março.
“Eu manifestei para a chanceler Merkel a preocupação do Brasil com a expansão monetária que vem ocorrendo por parte dos países desenvolvidos, que começou com os Estados Unidos, obviamente com uma parte bem mais significativa do que a União Europeia”, disse a presidente. “Mas agora a expansão monetária da União Europeia provoca desvalorização das moedas, o que nós consideramos bastante adverso para o comércio internacional do Brasil.” Dilma disse entender as adversidades da zona do euro causadas pela crise das dívidas soberanas, mas reiterou a necessidade de “buscar melhores formas de cooperação”. A presidente relativizou a redução do ritmo de crescimento dos países em desenvolvimento. “É um período adverso para a economia internacional, uma vez que não são só os países desenvolvidos que estão sofrendo pressões nas suas taxas de crescimento, mas também os países emergentes”, disse, reiterando a seguir: “Os países emergentes têm visto suas taxas de crescimento diminuir”. A presidente também se comprometeu diante de Merkel a imprimir uma política econômica de expansão sustentável do PIB brasileiro. “O governo terá uma posição pró-ativa no sentido de ampliar cada vez mais a taxa de crescimento do Brasil de forma sustentável, respeitando o equilíbrio macroeconômico com finanças públicas e uma estrutura fiscal sólida”, ressaltou. O PIB do Brasil encerrou 2011 com alta de 2,7%, ficando bem abaixo de 2010, com 7,5%.

Tesouro vai bombar BNDES

BRASÍLIA – Para dar novo gás à economia, depois do crescimento mais fraco em 2011, a equipe econômica discute com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) o barateamento das linhas de financiamento voltadas para novos investimentos e um aporte de R$ 30 bilhões para a instituição este ano.
Com a taxa básica de juros (Selic) mais baixa, o governo vai revisar as linhas de financiamento do Programa de Sustentação dos Investimentos (PSI), que contam com subsídios do Tesouro Nacional.
A presidente Dilma Rousseff também determinou a ampliação das medidas do Plano Brasil Maior (a política industrial lançada no ano passado) para dar estímulos mais fortes ao setor que sofre com o câmbio desfavorável. Dilma está insatisfeita com o programa, que ainda está longe de surtir os efeitos desejados.
Algumas medidas do programa, na prática, não foram implementadas, queixa-se a presidente.
O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, esteve reunido com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em Brasília, na semana passada, para discutir a queda no custo do PSI para as empresas, além da possibilidade de criação de novas linhas de financiamento.
O PSI foi criado em 2009 para financiar a aquisição de máquinas e equipamentos, projetos de inovação tecnológica e exportações, depois que a crise internacional derrubou o crescimento brasileiro e o governo adotou uma série de medidas para ajudar as empresas. Desde seu lançamento até fevereiro deste ano, os desembolsos do PSI somaram R$ 133,4 bilhões.

Cearense vai relatar projeto de servidor

BRASÍLIA – O líder do governo no Congresso, José Pimentel (PT-CE), é o nome mais provável para relatar no Senado o projeto de lei que cria o Fundo de Previdência Complementar para os Servidores Públicos Federais (Funpresp). A bancada do PT na Casa reuniu-se ontem e escolheu o nome do parlamentar para a função. Entre outros pontos, a mudanças no sistema previdenciário vai acabar com a aposentadoria integral de novos servidores e aproximar a legislação do que hoje é aplicado no INSS, que paga os benefícios dos trabalhadores do setor privado.
“O Pimentel já foi ministro da Previdência e conhece o assunto”, disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) logo após a reunião da bancada. Segundo ele, o líder do partido, Walter Pinheiro (BA), sondou os demais partidos da base aliada sobre uma possível indicação de Pimentel para a relatoria do projeto de lei do Funpresp e não houve qualquer restrição. Agora o nome será levado ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).
O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Eunício Oliveira (PMDB-CE), também pretendia ser o relator da matéria. Sua assessoria explicou, no entanto, que na segunda-feira passada ele recebeu um telefonema do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que o convenceu a desistir do pleito uma vez que a matéria não apresenta qualquer problema para o Executivo. O projeto tramita conjuntamente nas comissões de Assuntos Sociais, de Constituição e Justiça e de Assuntos Econômicos.
Como chegou ao Senado com urgência constitucional requerida pela presidenta Dilma Rousseff, a matéria tem 45 dias para ser analisada e votada. Caso contrário, passará a obstruir a pauta da Casa. O prazo para a apresentação de emendas vai até sexta-feira. O relator terá que apresentar o parecer para apreciação das três comissões até 27 de março. Uma vez votado nas comissões, o regimento do Senado prevê que a matéria terá que estar pronta para votação em plenário até 7 de abril.

CAPA DOIS
Lula: melhora e irritação

SÃO PAULO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu o humor. Desde domingo, quando foi internado para tratar de uma pneumonia, ele está mais irritado e impaciente. No entanto, segundo os médicos que o tratam, não há diagnóstico de depressão. “Ele está incomodado, de saco cheio. Pergunta a todo momento quando vai melhorar”, afirma um deles.
O que mais angustia Lula é a dor na garganta. A radioterapia contra o câncer na laringe deixou a área inflamada, e isso atrapalha a alimentação. “Até beber água dói”, diz o médico. Ele se alimenta de comidas pastosas e soro.
Boletim médico divulgado ontem afirma que o ex-presidente apresentou uma melhora clínica e laboratorial. Segundo a nota, no entanto, ainda não há previsão de alta.
Lula já perdeu 12 quilos desde janeiro, quando começou a radioterapia. O tumor foi descoberto em outubro. O ato de falar também tem incomodado o ex-presidente. “Ele adora bater papo. Se recebe visita, não para de falar. Depois fica rouco e tem mais dificuldade para engolir”, diz o oncologista Artur Katz.
Segundo ele, foi essa a razão que levou sua equipe a restringir as visitas. “Poupar a voz foi recomendação da fisioterapeuta. Não tem nada a ver com o estado imunológico dele”, diz Katz.
A dificuldade de deglutição aumenta o risco da pneumonia aspirativa, que ocorre quando há entrada de líquidos (secreções do corpo ou outras substâncias) da via aérea superior ou do estômago para os pulmões. Não se sabe, porém, se foi essa a causa da pneumonia de Lula.
Apesar de convalescente, o ex-presidente enviou uma carta ao presidente eleito da Rússia, Vladimir Putin. “Fico feliz ao ver que terá continuidade seu trabalho em conjunto com o atual presidente, Dmitri Medvedev, com quem também tive ótimas relações. Essa união de forças é salutar para o equilíbrio na equação da política mundial. Uma Rússia forte e soberana é de significativa importância para o mundo multipolar e multilateral que emerge no limiar do século XXI”, afirma Lula.

BRASIL
Nova base somente em 2018

ANTÁRTIDA Essa é a estimativa da Marinha para a entrada em operação da nova estação brasileira. Construção deverá custar R$ 100 milhões
BRASÍLIA – O Ministério da Defesa prevê que a nova Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), consumida por um incêndio em 25 de fevereiro, só deve entrar em operação em 2018. A obra deve custar cerca de R$ 100 milhões, segundo estimativa da Marinha. O ministro da Defesa, Celso Amorim, afirmou, porém, que o cumprimento do prazo depende do fluxo regular de dinheiro do orçamento para o Programa Antártico (Proantar). A Marinha estuda um modelo de base semelhante ao da Espanha, cuja arquitetura, segundo os militares, é mais segura e atende aos objetivos científicos do Brasil.
Ontem, em audiência no Senado, a Marinha e os pesquisadores que coordenam o Proantar classificaram o incêndio como “fatalidade”. O acidente resultou na morte de dois militares, que atuavam no combate às chamas. A perícia deve ser concluída nos próximos dias e, partir desta semana, contará com reforço da Polícia Federal. Portaria interministerial deve permitir que militares e cientistas definam, em conjunto, o plano de recuperação da base e de manutenção das pesquisas.
Segundo o cronograma traçado por Amorim, o orçamento do Proantar deve ganhar reforço de R$ 41 milhões este ano para limpeza de destroços, manutenção das pesquisas e planejamento básico da nova EACF. O projeto detalhado deve ficar pronto no verão 2013-2014, para que a obra seja entregue em três a quatro anos.
“Se tudo ocorrer muito bem, a construção da nova base só poderá começar no verão 2013-2014 e levará de três a quatro anos. Claro, caso os recursos venham de maneira continua. Quanto ao custo, estima-se, com base nas últimas bases (de outros países), R$ 100 milhões”, explicou Amorim.
A base espanhola, que já aparece desenhada nos estudos levados a cabo pela Marinha, custou cerca de 30 milhões. A estação estrangeira tem estruturas independentes, em formato de estrela, que se encontram em uma espécie de módulo central, segundo o desenho apresentado na audiência.
A falta de planejamento arquitetônico da estação brasileira, com módulos contíguos, tornava a Comandante Ferraz mais vulnerável à propagação do incêndio.

Sargento ferido no incêndio recebe alta

RIO – Ferido ao tentar apagar o fogo na base brasileira na Antártida, o sargento Luciano Gomes de Medeiros, 45 anos, voltou para casa na noite de anteontem. O militar recebeu alta médica após uma semana internado no Hospital Naval Marcílio Dias, no subúrbio do Rio, tratando de queimaduras de segundo grau nas mãos.
A volta do militar para casa, após quase um ano cumprindo a missão na Antártida, emocionou a família. Luciano Medeiros retornou no dia do aniversário de 15 anos da filha Mayara. “Ela não sabia da alta e estava triste por ter que passar o aniversário longe dele. Foi um presente para todos nós ele ter voltado”, contou a filha mais velha, Thais Medeiros, 24.
Segundo ela, o militar se recupera bem dos ferimentos. A orientação é para que ele fique em repouso e em ambiente refrigerado, para evitar a ocorrência de infecções nas queimaduras. “Acho que em casa a recuperação vai ser mais rápida. Logo ele vai voltar ao trabalho, mas acho que agora ele deve ficar mais perto da gente”, disse Thais.
O sargento queimou as mãos ao ajudar a debelar o incêndio que destruiu a base militar e causou a morte dos oficiais Carlos Alberto Vieira Figueiredo e Roberto Lopes dos Santos. Os corpos dos militares ainda estão no Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro e só serão liberados após a conclusão de exames de DNA.
A morte dos colegas ainda comove Luciano Medeiros, que está sendo acompanhado por psicólogos da Marinha. A família recebeu orientação para evitar que as visitas falem sobre o assunto.
“Estamos querendo preservá-lo, vamos deixar que ele fale sobre isso naturalmente. Ele sente muito pela perda dos dois amigos”, contou Márcia Medeiros, mulher do sargento.

Namorada de Nem é solta por falta de provas.

A Justiça mandou soltar, no último dia 1º de março, Danúbia de Souza Rangel, namorada do traficante Antonio Bonfim Lopes, Nem, ex-chefe do tráfico de drogas da Favela da Rocinha. A comunidade está ocupada desde o dia 12 de novembro. Presa no dia 25 de novembro passado, sob a acusação de associação para o tráfico de drogas, a “xerife da Rocinha” ficou livre das acusações porque, no entender da Justiça, as acusações contra ela não foram devidamente comprovadas. Danúbia deixou a prisão na última sexta-feira, mas a informação só foi divulgada ontem.

CIDADES
Prefeitos sob pressão para pagar novo piso

EDUCAÇÃO Por recomendação do Ministério Público de Pernambuco, os promotores devem fiscalizar os municípios. Descumprimento das normas poderá gerar ações na Justiça
Uma semana depois do Ministério da Educação (MEC) determinar o pagamento do novo piso salarial de R$ 1.451,94 aos professores, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) expediu recomendação para que os municípios também cumpram a Lei Nacional do Piso do Magistério. A fiscalização deverá ser feita pelos promotores de Justiça. Caso as prefeituras não respeitem a determinação, os gestores estarão sujeitos a ações judiciais.
A recomendação, expedida pelo procurador-geral de Justiça, Aguinaldo Fenelon de Barros, foi publicada ontem no Diário Oficial do Estado. Segundo o procurador, a lei deve ser cumprida por todos os municípios, inclusive aqueles com pequena arrecadação. “Temos convicção de que os municípios podem pagar. Se eles gastam 25% do orçamento com educação e ficar provado que não têm condições de pagar o valor total do salário, podem requerer auxílio do governo federal. Os gestores devem ajustar as contas e dar prioridade à educação.”
Por ano, o governo do Estado repassa R$ 700 milhões para ajudar os municípios a custear gastos com a educação, como prevê o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Algumas cidades, no entanto, alegam não ter condições de cumprir a determinação porque irão ultrapassar os 54% dos seus gastos permitidos com a folha de pessoal.
O prefeito de Palmeirina, Eudson Catão (PSB), presidente da Comissão de Desenvolvimento do Agreste Meridional (Codeam), afirma que a medida do MPPE pode ajudar os municípios a conseguir os recursos com o governo federal para complementar o salário pago aos docentes.
“Vamos convocar os prefeitos para entrar com ação no Ministério Público Federal até o fim do mês, solicitando que seja paga essa diferença. No ano passado, solicitamos esse recurso, mas não tivemos resposta do MEC”, afirma Catão. Em Palmeirina, no ano passado, o pagamento do piso aos professores gerou aumento de R$ 496 mil aos cofres municipais. A Codeam vai fazer levantamento sobre a quantidade de municípios que precisam do complemento. Mas o presidente da comissão acredita que pelo menos metade das prefeituras do Estado não vai pagar o índice.
O MEC usa como parâmetro de reajuste o aumento no valor gasto por aluno no Fundeb – como prevê a Lei Nacional do Piso do Magistério, de 2008. A legislação do piso determina que nenhum professor pode ganhar menos que esse valor por uma jornada de trabalho de 40 horas semanais.


CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE

CONFERÊNCIA
Criação de agência ambiental é criticada
Diretor do Ministério das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, afirmou ser contra nova agência da ONU, uma das discussões centrais da Rio+20
Verônica Falcão

SÃO PAULO – O embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, diretor de Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, criticou ontem a criação de uma agência mundial de meio ambiente, uma das discussões centrais da Rio+20, que ocorre de 13 a 22 de junho, no Rio de Janeiro. “Seria mais uma burocracia e teria como resultado prático apenas a criação de empregos para mais diplomatas”, disse durante evento preparatório para a conferência promovido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).
A ONU conta com agências globais de saúde (OMS), alimentação e agricultura (FAO), trabalho (OIT) e educação e cultura (Unesco), mas a questão ambiental se resume a um programa. Criado em 1972, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) está sediado em Nairóbi, no Quênia, não possui recursos suficientes nem força política.
Como já existem convenções e protocolos sobre biodiversidade, florestas, mudanças climáticas e desertificação, nações a exemplo da França e Alemanha defendem a criação de um organismo internacional para promover a implantação, pelos países signatários, das metas e ações previstas nesses documentos.
A crítica a uma agência mundial de meio ambiente, frisou o embaixador, é pessoal e não representa a posição do Brasil na Rio+20. “A delegação brasileira terá uma postura flexível frente à discussão”, adiantou o diplomata, que também preside a secretaria nacional da organização da Rio+20.
Segundo Luiz Alberto Figueiredo, há um sentimento de que o Pnuma deve ser reforçado. “O Brasil compartilha dessa opinião, mas muitos criticam a instituição de novas burocracias. Primeiro porque é mais caro, depois porque não necessariamente mudar a estrutura garante que se mude o modo de atuar.”
Antes de pensar que organismo criar, defende o diretor de Meio Ambiente do Itamaraty, é preciso definir o que se quer que esse novo organismo faça. “Alguns dizem que esta é hora de se ter uma agência ambiental, porque se não for agora vai ter que se esperar mais dez anos por outra oportunidade”, esclarece.
Essa é a posição, lembra ele, dos europeus e da África. “O Brasil quer o reforço do Pnuma. E nós aceitaremos o resultado que as discussões da Rio+20 trouxerem, mas hoje em dia, olhando o quadro da negociação, não parece existir consenso em torno da criação dessa nova agência.”
Para o embaixador, a adoção de uma economia verde inclusiva é o que se deve esperar do País após a Rio+20. “Crescer, incluir e proteger é o trinômio que deve nortear essa nova economia”, prevê. “O Brasil mudou depois da Rio-92. O governo e as pessoas passaram a pensar diferente, passaram a incluir o meio ambiente nas políticas públicas, no dia a dia. Isso deve ocorrer de novo com a Rio+20. Só que agora, o que vamos incorporar são os pilares do desenvolvimento sustentável, ou seja, o econômico, o social e o ambiental.”
Com dez dias de duração, a Rio+20 terá uma reunião de cúpula, no Riocentro, que ocorrerá nos dias 20, 21 e 22 de junho.
 A repórter viajou a convite da Fapesp


ESPORTE
Lei Geral já pode ir ao plenário hoje
COPA 2014 Projeto foi aprovado pela comissão especial com a permissão da venda de bebidas alcoólicas, ontem. Câmara e Senado ainda votarão

BRASÍLIA – O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a Lei Geral da Copa pode ser apreciada pelo plenário da Casa já hoje. O projeto foi aprovado ontem pela comissão especial com a permissão da venda de bebidas alcoólicas nos eventos da Fifa.
A comissão acatou a exigência da entidade que tem uma cervejaria como patrocinadora. Um dos defensores da proibição, o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) diz que vai insistir na derrubada desta parte do texto no plenário.
O projeto inclui também na legislação brasileira novos crimes para atender à entidade e seus patrocinadores. Quem usar símbolos oficiais de forma indevida ou divulgar marcas com fins de atingir lucros por associação com o evento poderá ser condenado a detenção, além de pagar multa.
A mudança no calendário acontece devido à falta de acordo para o Código Florestal, que deve ser apreciado somente na próxima semana. “A gente queria votar a Lei Geral da Copa só na semana que vem, mas como teremos Código Florestal e há outros temas, é melhor ir votando o que vai ficando pronto”, disse Vaccarezza.
A tramitação acelerada acontece depois de uma polêmica entre a Fifa e o governo brasileiro. Na última sexta, o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, afirmou que o Brasil precisava levar um “chute no traseiro” para acelerar a organização da Copa do Mundo. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, reagiu dizendo que o governo não aceitaria mais Valcke como interlocutor. Após classificar a atitude de Aldo como “infantil”, o secretário-geral da Fifa se retratou e culpou a tradução pela polêmica.
Para Vaccarezza, a discussão pública não vai interferir no ritmo do trabalho do Congresso. “Nós não vamos misturar o processo legislativo com rusgas de cartolas e dirigentes. A Copa é um fenômeno excepcional, exclusivo e único”. Após a análise do plenário da Câmara, o projeto seguirá para o Senado.

Blatter se desculpa e quer reunião

BRASÍLIA – Menos de 24 horas após o Brasil pedir a saída do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, das negociações da Copa-2014, o presidente da entidade que comanda o futebol, Joseph Blatter, pediu desculpas ao País.
Em carta enviada ao ministro do Esporte, Aldo Rebelo – que está no Recife para acompanhar o andamento das obras da Arena Pernambuco –, Blatter diz que está extremamente preocupado com relação à deterioração da relação entre Fifa e o governo brasileiro.
O presidente da Fifa, contudo, não respondeu ao principal pedido do governo brasileiro: a saída de Valcke – que sugeriu “um chute no traseiro” do Brasil – das negociações.
Na carta, Blatter diz que gostaria de se encontrar, na próxima semana, com a presidente Dilma Rousseff. O dirigente, contudo, foi sutil ao pedir pressa: “O mundo inteiro aguarda ansiosamente pela Copa. Todavia, o tempo está passando desde 2007. Não deixemos que os conflitos nos façam perder tempo”, completou.

ENTREVISTA - ALDO REBELO
Não aceitamos desrespeito

Em meio ao período de maior turbulência entre o governo do Brasil e a Fifa, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, visita as obras da Arena PE hoje. Em entrevista ao JC, por e-mail, ele exalta meia-entrada, evita se meter na crise da CBF e diz que “não aceita desrespeito nem declarações impróprias” se referindo ao “chute no traseiro” dito por Jérôme Valcke.
JORNAL DO COMMERCIO – Como o senhor analisa a evolução das obras da Arena Pernambuco e as chances de o Estado sediar também a Copa das Confederações?
ALDO REBELO – Pelas informações que recebi, o trabalho anda bem, com o cronograma praticamente sendo cumprido. Por isso, com os avanços na preparação, Recife está no páreo. Mas a confirmação ficará para junho, quando uma avaliação final será feita pela Fifa.
JC - Entre os pontos polêmicos da Lei Geral da Copa está a comercialização de bebidas alcoólicas nos estádios. Qual a opinião e a posição do ministro e do governo?
AR– O Congresso parece ter chegado a uma solução que concilia os dois lados, e que considero satisfatória: a liberação da venda de cerveja, durante a Copa, com restrições. Como acontece em alguns estádios na Europa, podem ser definidos lugares onde os torcedores poderão consumir bebidas, definir um limite desse consumo, de forma que não se ponha em risco nem a saúde, nem a segurança de quem vai assistir aos jogos. Creio que o Congresso vai aprovar, na Lei Geral, um mecanismo que compatibilize os interesses do Brasil e dos brasileiros com os dos organizadores e dos patrocinadores da Copa.
JC – Outra polêmica diz respeito à meia-entrada para estudantes, idosos, beneficiários do programa Bolsa Família e indígenas.
AR – A Lei Geral da Copa terá instrumentos para garantir os direitos que já estão definidos em outras legislações, como o Estatuto do Idoso. O que tenho dito é que não podemos fazer uma Copa na Amazônia sem ter um índio nas arquibancadas, ou excluir a população mais pobre, como a que é beneficiada pelo Bolsa Família, da maior festa do futebol do mundo, quando ela se realiza no Brasil. Já nos primeiros contatos que fiz com a Fifa e com os patrocinadores da Copa, vi que há boa vontade também de contemplar esses dois casos.
JC – Das 12 cidades-sedes quais a que mais preocupam o Governo quanto ao atraso no cronograma das obras para a Copa? E porque?
AR – Eu não tenho nenhuma dúvida de que todos os estádios estarão prontos num prazo compatível com a realização da Copa. Os estádios e as obras de mobilidade nas cidades, assim como as reformas de aeroportos e portos.
JC – A presidente Dilma Rousseff não vem tendo uma relação tão próxima com o presidente da CBF e do COL Ricardo Teixeira, como o ex-presidente Lula. Muito disso por causa das diversas denúncias de corrupção que recaem sobre o dirigente. Como o senhor analisa a atuação de Teixeira à frente das duas entidades e como é a sua relação com ele? O senhor defende a saída dele?
AR – Quem deve decidir sobre a permanência de Ricardo Teixeira na presidência da CBF são as federações estaduais e a própria CBF. Ao Ministério do Esporte, como coordenador das ações da Copa por parte do governo federal, compete manter relações de cooperação com as partes envolvidas na organização do evento, com objetivo de garantir o sucesso dentro e fora dos gramados.
JC – Como o senhor analisa as diversas e recorrentes cobranças da Fifa tanto em relação à organização da Copa de 2014 quanto à demora na aprovação da Lei Geral da Copa?
AR – Tenho absoluta tranquilidade de que o Brasil realizará uma Copa do Mundo inesquecível. Temos, claro, que enfrentar os nossos desafios, por exemplo, no campo da infraestrutura. Por isso, o governo convive com avaliações diferentes e críticas, mas não aceita desrespeito nem declarações impróprias, que não condizem com a grandeza da tarefa de organizar uma Copa do Mundo.

INTERNACIONAL
Uma nova chance para o Irã
Potências manifestaram ontem disposição de voltar a conversar com república islâmica sobre seu programa atômico

BRUXELAS – As grandes potências (o chamado grupo 5+1) propuseram retomar as negociações com o Irã sobre seu programa nuclear, interrompidas há um ano. É o que afirma carta divulgada ontem pela União Europeia, mas que não faz referência a datas ou lugar para a reunião. “China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos propuseram retomar as negociações com o Irã sobre seu programa nuclear”, afirmou a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, em carta dirigida ao negociador iraniano Said Jalili. “Não queremos que estas negociações fracassem.”
A mensagem da UE foi enviada depois que o Irã anunciou que está disposto a autorizar, sob certas condições, uma nova inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na base militar de Parchin, sudeste da capital.
Um relatório da AIEA assinalou que tudo indicava que foram feitos testes nucleares no local. As potências ocidentais expressam com frequência suas suspeitas de que o Irã pretende dotar-se de uma bomba atômica com o pretexto de um programa nuclear civil.
O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, destacou que as grandes potências querem demonstrar ao Irã sua disposição de encontrar uma solução diplomática para o problema. “O Irã deve aproveitar esta oportunidade”, assinalou, em comunicado. “É um bom momento para que o Irã demonstre ao mundo que quer uma solução pacífica e negociada para a questão nuclear”, completou.
A reação das potências acontece depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse, em Washington, ao presidente Barack Obama que Israel deve seguir sendo “dono de seu próprio destino”, em uma firme defesa de seu direito de ordenar um ataque unilateral contra o Irã.
Em sua primeira coletiva de imprensa de 2012, ontem, Obama afirmou que as sanções contra o Irã estão funcionando e descartou a necessidade imediata de um ataque militar. “O mundo está unificado, o Irã se acha politicamente isolado.”
Após quatro meses de hesitações, o Irã deu em meados de fevereiro seu aval a uma retomada do diálogo com o grupo dos 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e a Alemanha), interrompido há mais de um ano, insistindo que quer retomar as negociações rapidamente. Mas, ao mesmo tempo, a república islâmica ameaçou suspender o fornecimento de petróleo à Itália, Espanha, Grécia, Alemanha, Portugal e Holanda, em represália pelo embargo petroleiro e bancário decidido em janeiro pela UE.

País admite inspeção em base

VIENA – O Irã informou ontem que poderá permitir a entrada de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em uma base militar colocada sob suspeita, desde que certas condições sejam obedecidas.
“Levando-se em consideração o fato de se tratar de uma instalação militar, a liberação do acesso é um processo que exige tempo e não pode ocorrer repetidamente”, informou a embaixada do Irã em Viena, a respeito da base de Parchin. A república islâmica pede à AIEA, braço da Organização das Nações Unidas (ONU) para a energia nuclear, que “relacione todas as questões que deseja abordar e então, uma vez mais, o acesso será autorizado”. Ainda de acordo com a nota, “o processo obviamente poderá ser iniciado” assim que houver acordo em relação a como resolver todas as questões.
Um relatório da AIEA publicado em novembro dizia que “um grande compartimento de contenção de explosivos” estava instalado em Parchin e poderia vir a ser usado em testes com mísseis capazes de transportar ogivas nucleares. O governo iraniano rechaça as suspeitas e tem lembrado que inspetores da AIEA visitaram a base em 2005 e não encontraram nada. Este ano, inspetores da AIEA visitaram o Irã em duas ocasiões, mas em ambas as autoridades iranianas negaram acesso ao local.

SUPLEMENTO
Dilma se diverte na CeBIT
FEIRA Presidente brasileira e chanceler alemã, Angela Merkel, visitaram megaevento mundial de tecnologia que tem Brasil como convidado

HANNOVER (Alemanha) – Depois de algumas declarações tensas na abertura da feira de tecnologia CeBIT, segunda-feira, em |Hannover, Alemanha, sobre exclusão digital e desvalorização do real por conta da entrada de moeda estrangeira, a presidente Dilma Rousseff e a chanceler alemã Angela Merkel se divertiram visitando os estandes. Na edição deste ano, o Brasil é o convidado de honra do evento.
As líderes circularam pela feira e até mergulharam um tablet à prova d’água da Fujitsu em um aquário. Segundo o fabricante, o equipamento pode ser utilizado em uma banheira ou piscina, roda Android 2.3 e sintoniza TV digital. Dilma e Merkel também brincaram com uma mesa high-tech educacional da empresa brasileira Positivo e testaram a tecnologia de realidade aumentada.
Além da mesa high-tech e do tablet à prova d’água, outras novidades também chamaram a atenção dos visitantes da CeBIT. Uma delas foi o céu virtual que promete acabar com o ambiente fechado dos escritórios. O projeto, desenvolvido por cientistas alemães, reproduz no teto uma espécie de céu virtual.
O sistema utiliza telas planas e compridas, fixadas no teto que, graças a 288 míni-LEDs produzem, cada um, as cores vermelho, azul, verde e branco. Ao todo, podem ser oferecidas 16 milhões de combinações. Os mini-LEDs também formam nuvens e reproduzem a luz do dia, nascer e pôr do sol, de acordo com a hora do dia.
Com a nova tecnologia, os funcionários poderiam ter a sensação de trabalhar sob um sol de primavera ou adornado aqui e ali com nuvens que passam lentamente sobre suas cabeças.
Segundo o cientista do Instituto Fraunhofer que desenvolveu este sistema, Matthias Bues, a sensação de espaço aumenta a produtividade do trabalhador significativamente. Os painéis medem 50 centímetros quadrados, por peça, e custam 1,2 mil.
Outra novidade da feira de tecnologia foi um carro que pode ser diminuído até 50 centímetros, para facilitar o estacionamento. Com 2,1 metros, o pequeno veículo de dois lugares e cor azul-cobalto, suscitou a curiosidade durante o segundo dia do maior evento tecnológico mundial.
O carro também é equipado com rodas que giram em 360 graus, o que permite também estacionar lateralmente. Ideal para os motoristas menos pacientes.
Dotado de sensores para evitar pequenas batidas, o próprio carro pode manobrar e até ir buscar o usuário na porta de seu trabalho. “Tudo isso graças a um computador que o conduz sem a necessidade de motorista e que obedece seu smartphone”, explicou Timo Birnschein, do Centro Alemão de Inteligência Artificial.
O veículo é elétrico, chega a velocidade máxima de 55 km/h e tem autonomia de 100 km com baterias totalmente carregadas. Um ponto interessante: as rodas que fazem a rotação de 360 graus também produzem uma energia que o próprio carro pode utilizar.
Carro e céu virtual à parte, uma das novidades que mais chamou a atenção foi o robô que faz pole dance. A máquina dançarina é fabricada pela empresa alemã Tobit Software.
Lançamentos menos exóticos também foram apresentados, como o celular Nokia Lumia 800, as capas para smartphones à prova d’água, da coreana Dicapac, e o menor dock com alto-falante para iPod do mundo, da empresa francesa Nelyo.
A CeBIT segue até o dia 10 e deverá receber cerca de 4,2 mil expositores de 70 países.
 com informações de agências